quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

O "honorável" membro da cambada!

O "honorável" membro da cambada!

Precisa legenda? (Foto: MBL)

A palavra “cambada”, segundo o dicionário “Aurélio”, significa entre outras coisas, “súcia” que por sua vez significa “agrupamento de pessoas de má índole, malta, corja, caterva, grupo de ladrões, etc”. No bom português, no linguajar do povão, gente que não presta, simples! Esta palavrinha tornou-se comum durante 2015 e 2016, quando o hoje vereador tucano do PSDB, Almir Fernandes Lima, adotou-a para se referir aos vereadores da legislatura passada (Saraiva, Papinha, Carlinhos, Claudio, Beatriz, Arlindo, Claudino, Batata, Jaime, Tieza, Nava, Rosaldo e Edna Flor). Ele não separava o joio do trigo, misturava todos num balaio só e fazia acusações generalizadas que atingiam a honra, a reputação dos vereadores, que para sua infelicidade, se reelegeram em sua maioria. Esse falso paladino da justiça, subia num trio elétrico e vociferava diatribes e aleivosias contra o ex-prefeito Cido Sério. Do alto de seu picadeiro particular, atirava pedras para todos os lados. Com seu megafone, acabou, tapeando o povo, enganando a cidade com suas manifestações em favor do impeachment, mas que no fundo não passava de propaganda política antecipada em favor de sua candidatura a vereança. Com esse discurso moralista, conseguiu ludibriar, tapear o povo e cerca de 1678 inocentes, incautos foram na conversinha fiada desse falso defensor da moralidade pública.
A área esbulhada pelo mais "santo" dos vereadores (Foto: Marco Serelepe). 


 Quem não se lembra no começo de dezembro de 2014, quando saiu reportagem até no “Fantástico”, sobre uma barulhenta ação da polícia que invadiu o escritório do vereador Cido Saraiva para vasculhar denúncias de um vigarista e que pelo que se sabe, não virou nada, não deu em nada. Mas, o arauto da moralidade, aproveitando-se da situação, fez o maior estardalhaço, o maior barulho, atacando o vereador sem uma acusação formal, visto que a própria polícia dizia que Saraiva não era investigado. O caso foi espetacularmente explorado, por esse pseudo-defensor da moralidade pública que, injustamente agrediu a honra e o nome do vereador Saraiva. Como um fariseu tupiniquim, apedrejou o então presidente da câmara, dizendo entre outras coisas que “Araçatuba estava desmoralizada nacionalmente” pelo fato ter sido divulgado em todo o país. E o que aconteceu? Muitos foram na conversa falsa, mentirosa, leviana e irresponsável. O caso sumiu do noticiário, a honra e o nome de Cido Saraiva foram expostos à execração pública e esse que se apresenta como o mais “santo”, o mais “puro” dos homens, tirou proveito político de uma situação e nada aconteceu.

E agora? Eleito junto com Dilador, esse vereador Almir, teve que beber do próprio veneno, ao ter que doravante conviver com aqueles vereadores que antes ele xingava, ofendia, atacava a honra pessoal de todos. Em setembro de 2016 ele escrevia em sua página no Facebook, que “a cambada estava aprontando. A apelação chegou ao extremo, além das notícias de dinheiro correndo solto...”. Sem provas, sem documentos, esse irresponsável levantava dúvidas e fazia acusações sobre a compra de votos feitas pelos vereadores da tal “cambada”. Agora, depois de eleito, esse “leão feroz”, virou um gatinho sem dentes”, inofensivo. Se tornou membro “honorável da cambada”, ocupando cargo importante e tem lugar de destaque no picadeiro da Praça 9 de Julho. Ele dizia na campanha que “ia tirar a lona de cima do circo”. De fato, tirou. Levantou a lona e entrou debaixo. Se acovardou, se tornou um fraco, um mole. Teve que engolir xingamentos e agressões verbais no plenário da câmara, caladinho, murcho. O famoso Téo, disse – “Você só prestava quando não era vereador”. E esse “valente e destemido” paladino da honra, da moral e dos bons costumes ficou quietinho, com o rabo entre as pernas. Se urinou nas calças ali no plenário, ninguém sabe.

Dias depois, o vereador Arlindo Araújo, que está no seu 7º. Mandato, uma figura cuja honra, cuja dignidade ninguém põe em dúvida, também atacado por esse valentão, foi à tribuna e descascou o abacaxi. Arlindo ameaçou esse Almir de fazer ele engolir papel se este escrevesse ou citasse seu nome em qualquer coisa. E o valentão, acuado, acovardado, ficou caladinho. Engoliu tudo em seco. Agora, novamente, há semanas o vereador Saraiva vem sendo alvo de acusações de erros cometidos quando este era presidente. O fato foi divulgado na TV, nos jornais e cadê o valentão, o moralista? Não disse nada, não escreveu nada! Por que será?!  Nas ruas de Araçatuba, sobram eleitores que votaram nessa triste figura e hoje se lamentam e se sentem traídos. Até o MBL que o apoiou ostensivamente, agora virou-lhe as costas. Na câmara, nenhum vereador o tolera nem o suporta. Engolem esse falso, por causa do decoro parlamentar. É desprezado por todos. De estilingue virou vidraça.

Agora, não mais que de repente, a cidade é surpreendida pela notícia de que esse “zeloso”, esse “probo”, esse “santo” defensor da moralidade, da probidade pública, invadiu, ocupou, esbulhou uma área que pertence ao Município. Cercou, plantou árvores frutíferas e até cria galinhas, segundo se sabe, no valioso Jardim Nova Iorque, agindo descaradamente, desonestamente como se o terreno fosse de sua propriedade, sem sequer ter solicitado uma autorização da prefeitura para essa ocupação indevida. Muito “preocupado” com os assuntos públicos, o dito cujo, está nesse momento curtindo “merecidas” férias no Guarujá, afinal, ninguém é de ferro! A prefeitura já mandou notificação determinando a derrubada da cerca. Vai ser uma humilhação sem tamanho, mas esse “respeitável homem público” merece este tratamento. A sociedade aguarda seu retorno para que ele possa se explicar, coisa que ele, levianamente nunca deu esta chance para que o vereador Cido Saraiva igualmente pudesse se explicar. Desceu o cacete no vereador, o humilhou, o execrou publicamente. Mas, como diz o velho deitado – “Entre um dia e outro, sempre há uma noite no meio”. Esse vereador, que enganou, se elegeu em cima de uma farsa, está colhendo aquilo que plantou. E é só o começo!





Um comentário:

  1. " A TRANSPARÊNCIA DE UM CIDADÃO VIL " Quando este senhor travestido de patriota, uniformizado de verde e amarelo, posando de exemplo familiar, usando a família que também esteve uniformizada, risonha e protestando nos palanques e carreatas o IMPEDIMENTO da presidente, demonstrando ser o maior defensor de Araçatuba e da nação brasileira, na época, fiz um comentário : Investimento futuro, este advogado é daqueles que está fazendo sua propaganda política para cargo de vereador, não sou adivinhador,apenas, não sou "néscio", investiu e se deu bem e creio que a família ficou satisfeita com os benefícios do salário de vereador que pleitei ser " deputado federal" anotem, não sou adinho. Digo pelo fato, colocou cerca em uma (área municipal), fazendo uso para seu prazer almejável. As víboras ou vilões sabem os disfarces que necessitam.(BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du) Poeta e sonetista : Verdades Duras,ou Pavorosa Ilusão da Eternidade-Port.1.805

    ResponderExcluir