sábado, 14 de abril de 2018

Fim do PT sem Lula

Lula preso, marca o começo do fim do PT!


A prisão do Lula completa uma semana e, contrariando as previsões pessimistas, apavorantes do PT, o mundo continua girando, tudo está na mais tranquila paz, os poderes da República mostram-se sólidos, firmes, a democracia que os petistas tentam destruir, inexoravelmente está firme. Neste final de semana, para servir de exemplo que tudo continua funcionando normalmente, os chefes dos poderes executivo e legislativo estão fora do país. Michel Temer está no Perú na “Cumbre de las Américas”, Rodrigo Maia viajou ao Panamá e Eunício Oliveira foi ao Japão. Quem preside, mesmo que simbolicamente o país, é a presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia, por força constitucional, é a 4ª. na linha sucessória. Isso prova que o Brasil, mesmo com todos os problemas que vivemos ─ Corrupção, violência urbana, desmandos, etc. tudo continua de pé suportando a anunciada tempestade institucional, o levante, a comoção que a prisão do ex-presidente iria causar. Passados esses sete primeiros dias, o acampamento dos militontos petistas em Curitiba que causam inúmeros aborrecimentos e problemas aos cidadãos de bem de Curitiba agora sofre a ameaça de uma multa de R$ 500 mil diários caso não desapareça da capital paranaense e devolva a tranquilidade e limpeza àquela bela cidade.

Os petistas, aos poucos vão caindo na real que os inúmeros recursos protelatórios e procrastinatórios para libertar Lula se tornaram ineficazes e sua permanência na prisão terá um longo tempo. Sua libertação, mesmo que provisória vai depender de um jogo de interesses jurídicos inconfessáveis, mas que cada dia mais distantes de se concretizarem. A sua presença e participação na eleição vindoura é algo distante e irrealizável. Os líderes petistas comandados pela senadora Gleici Hoffmman sabem que o PT perdeu a primazia das ruas, que o discurso de tornar Lula um mártir, perde força e o partido que antes abusava das inúmeras torneiras que jorravam dinheiro público para sustentar as ações criminosas de sublevação e subversão acabaram, secaram. O partido agoniza acéfalo, perdeu sua maior liderança, perdeu o norte e vê com enorme dificuldade enfrentar uma eleição sem bandeiras e sem quadros. O PT hoje tem 8 senadores que estão em fim de mandato e, desgastados, envolvidos em denúncias de corrupção, terão imensas dificuldades para se reelegerem. O partido em 2014 elegeu 70 deputados federais. Já perdeu 10, que pularam da canoa furada temendo dificuldades na reeleição.

Os partidos do campo da esquerda, PSOL, PCdoB, PSB, PPS, PDT que antes fechavam convictos com o lulo-petismo nas eleições, se afastaram e devem lançar candidatos próprios. Em vários estados, o PT nem conseguirá lançar candidatos aos governos estaduais e senadores. Faltam quadros. Sem Lula na disputa para a presidência, Jair Bolsonaro ganha a dianteira e pode levar já no primeiro turno pois hoje, teria o dobro de votos sobre o segundo colocado. Ciro Gomes. Este, quer visitar Lula na prisão esta semana mas o PT vê sua tentativa de aproximar-se de Lula com muita desconfiança. Em vários momentos ele fez críticas à Lula e Dilma e, na semana passada quando da prisão de Lula, não apareceu. Ciro Gomes, um sujeito de duas caras, inconfiável, desequilibrado, agressivo, tem muita dificuldade de conseguir apoio de outros partidos. Enfim, a prisão de Lula mostra que a justiça funciona e as instituições estão imunes à ideia de desestabilização. Logo Lula cairá no esquecimento e será uma página virada. Uma página triste e lamentável de nossa história. É um ser desprezível que o Brasil, sendo maior que Lula, esquecerá!   

sábado, 7 de abril de 2018

Votar nos candidatos da terra:

"JUNTOS SOMOS MAIS FORTES"
Vamos votar nos candidatos da terra!
Os pretensos candidatos de Araçatuba para deputado estadual e federal - Edna Flor (PPS) e Cido Saraiva (PMDB) e Rivael Papinha (PSB).

Não é de hoje que defendemos que os eleitores araçatubenses, votem em candidatos genuinamente ligados, com raízes na cidade, que morem, têm suas famílias e negócios ou suas atividades sejam elas quais forem na cidade. Sempre condenamos o voto nesses candidatos paraquedistas, condenamos os araçatubenses que fazem acordos espúrios, imorais com pretensos candidatos sem vínculo com a cidade. Não é demais lembrar os mais de 3 mil votos dados ao estilista Clodovil, bem como ao Tiririca, mais de 6 mil votos, simplesmente jogados no lixo. Esses candidatos aparecem nas vésperas das eleições, recebem os votos e depois somem. Um desses péssimos exemplos, podemos citar o deputado federal Rodrigo Garcia (DEM) de Rio Preto, que seguidamente recebe milhares de votos (mais de 3 mil), arrumados pelo vereador Dunga, tido como seu representante. Rodrigo Garcia foi secretário de Habitação e não se sabe de uma só casa que ele tenha construído em Araçatuba, mesmo ao tempo em que o atual prefeito Dilador Borges, ocupava o cargo de conselheiro do CDHU. O vereador Jaime (PTB) é outro que apoia candidato de fora, nesse caso, Nelson Marchezelli (PTB), que recebeu quase 2 mil votos. É aquele que disse que se pobre não tem dinheiro, não estude. Outros vereadores mantêm relações com candidatos de fora. Fato que condenamos de forma veemente.

Vamos relembrar que em 2014, os 7 candidatos de fora juntos, levaram 38.993 votos. Rodrigo Garcia, Russomano, João Dado, Thame, Marchezelli, Alvino e Fausto Pinatto arrancaram esses votos com certeza, comprando, pagando, ou existe outra razão para vereadores ou líderes políticos apoiarem tais candidaturas? Juntando os votos brancos (6.524), os nulos (4.287) e as abstenções (28.845), somando-se aos votos dados para os candidatos citados acima, são 78.649 votos! Ou seja, votos suficientes para eleger um deputado. Lamentavelmente, Dilador Borges (PSDB), Papinha (PSB), Cido Saraiva (PMDB), receberam votos insuficientes para suas pretensões e não se elegeram. Vamos lembrar que há muitos anos, o povo de Araçatuba, por razões outras, insiste em votar em candidatos estranhos à cidade. O último deputado federal eleito por Araçatuba, foi João Jorge Rezek, no distante ano de 1986. De lá para cá, nunca mais algum político local conseguiu se eleger. Já estaduais, Sidney Cinti se elegeu em 1994 e depois Cido Sério (PT), se elegeu estadual com 63.024 votos, mas pasmem! Recebeu uns 6 mil votos em Araçatuba. Em 2014, Cido Saraiva recebeu 32.514 (estadual) e Papinha 22.584 (federal). Ficaram pelo caminho.

E quais as consequências dessa desastrosa atitude do povo de Araçatuba? Simples – falta de recursos e investimentos em diversos setores da cidade. É bom que se saiba, que um deputado federal, tem à sua disposição, cerca de R$ 15 milhões por ano (R$ 60 milhões no mandato), para destinar em forma de Emendas parlamentares à sua região. É comum ver os cidadãos reclamarem da falta de empregos, oportunidades, investimentos, mas culpam o prefeito, os vereadores, esquecendo que voto é consequência. Na hora de votar, joga o voto no lixo. Repudia, despreza os candidatos da terra, imputando a estes, críticas, acusações e menosprezando a biografia do eventual candidato. Nas redes sociais vemos as pessoas xingarem os candidatos da terra, que não fazem nada, só pensam neles, e isso e mais aquilo. Acusam de corruptos, de ladrões e que não prestam. Mas, então cadê os bons? Os honestos? Os puros? É fácil diante do computador destilar ódio e críticas aos candidatos da terra, mas será que os de fora, a quem este eleitor criminosamente vendeu o voto é bom? É honesto? Quem age assim, está traindo a cidade, está negligenciando os interesses da comunidade e se corrompendo.

O evento organizado nesta semana pelo vereador Papinha (PSB), “JUNTOS SOMOS MAIS FORTES”, tem a difícil missão de esclarecer, de orientar os eleitores a se conscientizarem de que votar em candidatos de fora, é agir contra a cidadania, é condenar de forma criminosa e desonrosa o futuro da cidade. O momento é de que cada um esqueça suas convicções pessoais, seus posicionamentos político-ideológicos e somem esforços no sentido de juntar forças para eleger pelo menos um deputado federal e estadual. Alguns criticam e atacam Cido Saraiva e Papinha, mas esquecem que estes homens públicos, doam parte de seu tempo, deixam suas famílias para correr, para resolver os graves problemas da comunidade. Dizer que Papinha não fez nada, não faz nada, é no mínimo agir com má fé e ignorância. Podemos citar que a maior bandeira que o vereador Papinha pode levantar e mostrar ao povo, calando a voz crítica leviana de muitas pessoas, é a criação da faculdade de medicina da cidade. Foi uma das pessoas que mais lutou para que este importante centro de educação por excelência, viesse para nossa cidade. O que dizer de Cido Saraiva?  Ande pelas ruas, nas periferias da cidade e sintam como reagem as famílias que por infelicidade tiveram ou têm alguém gravemente doente e na hora do sofrimento, da dificuldade, encontram uma única porta aberta, u’a mão amiga para confortar e ajudar. Pensem nisso antes de criticarem e depois continuem votando, vendendo o seu bem precioso, o voto, mas depois não critique, não reclame.

domingo, 1 de abril de 2018

Terreno esbulhado:

O prefeito Dilador foi rapido em derrubar os trailers das praças. E o terreno invadido pelo vereador?

Na marra, o prefeito Dilador mandou arrancar os trailers das praças da cidade, prejudicando gente humilde e trabalhadora.
Em dezembro passado, o radialista Marco Serelepe denunciou que aquele vereador “mais santo”, “mais puro”, o “mais honesto”, um quase beato, havia invadido, esbulhado um terreno adjacente à sua propriedade e construído cerca, plantado árvores frutíferas e outros vegetais incluindo mandiocas gigantes. O tal vereador estava em férias na praia e por fone disse que em sua volta esclareceria todo o problema. No entanto, passados quatro meses, o silêncio é sepulcral. Usando de manobras e ardis, o vereador tenta esconder o assunto e fazer com que a opinião pública esqueça. O que se sabe até agora é que essa invasão, essa ocupação criminosa e indevida se deu há mais de 15 anos! O edil vem usufruindo tranquilamente de um próprio da municipalidade, sem que nenhuma providência tenha ocorrido nesse tempo. Sabe-se que a prefeitura municipal notificou o vereador para que derrubasse a cerca imediatamente e aplicou multa correspondente. No entanto, ao que se sabe, nada aconteceu. Houve até a notificação por parte do Ministério Público para que o imóvel público fosse desocupado. Há informações não confirmadas de que o cidadão que se arvora “o mais santo” apresentou um pedido de compra do terreno, algo simplesmente ilegal, ato inexistente e ineficaz. A municipalidade não pode simplesmente vender imóveis públicos sem o devido interesse público.
Mas o terreno invadido, esbulhado há mais de 15 anos pelo vereador "amigo do rei" nenhuma providência foi tomada.  

A estranheza nisso tudo, é que o prefeito Dilador, tão logo assumiu o cargo em janeiro de 2017  desenvolveu uma intensa campanha contra os proprietários do trailers existentes nas praças, condenados que foram pelo MP para desocuparem as áreas públicas. Dilador foi com toda ferocidade e força para cima dos humildes donos dos trailers para cumprir a notificação do MP. Homens, caminhões e máquinas passaram sobre os trailers e os proprietários desses eram até ameaçados, intimidados. Agora sobre essa  cerca do terreno invadido, a prefeitura faz ouvidos moucos e nenhuma providência é tomada. Claro! O tal vereador tem uma relação de subordinação ao prefeito, pois é amigo de longa data e contador particular da empresa “Basical” de propriedade do hoje prefeito de Araçatuba. Além disso, o vereador esbulhador é filiado ao PSDB, partido do prefeito e foi eleito por esta agremiação. Assim, a situação de invasão e ocupação espúria, ilegal do terreno público, sob o olhar complacente e conivente do ente público que deveria agir e determinar a imediata evacuação e a derrubada da cerca do dito terreno.


É um absurdo este episódio que está acontecendo e nada é feito. A câmara para variar, se fecha e não questiona o assunto. Nenhum vereador tem a coragem de cobrar, de exigir que providências sejam tomadas. Os coitados e indefesos donos dos trailers não tiveram o mesmo tratamento. Foram escorraçados, alguns acusados de furtarem água e energia elétrica existentes nas praças. De repente, o prefeito suspendeu a derrubada e retirada os trailers mas o clima de insegurança persiste. Agora quanto ao terreno ilegal e criminosamente ocupado, quando de fato a administração pública vai exigir e determinar a evacuação e a derrubada da cerca? Quando o prefeito vai enviar homens e máquinas vão no local fazer cumprir a lei? Esse vereador que se acha o mais “honesto” está acima da lei? Tem prerrogativas especiais? Ou apenas por ser “amigo do rei” está recebendo esse “tratamento” exclusivo e especial para ir “embarrigando” o assunto para cair no esquecimento? A lei é feita para todos e deve ser cumprida. Cadê o zeloso MP que oprime os pequenos e humildes donos de trailers nas praças?



domingo, 25 de março de 2018

Demagogia:

Quem vai na passeata do demagogo?

Quem será o idiota, o palhaço de ir nessa passeata convocada por este falso, esse demagogo?

Demagogia é um termo de origem grega que significa “arte ou poder de conduzir o povo”. É uma forma de atuação política na qual existe um claro interesse em manipular ou agradar a massa popular, incluindo promessas que muito provavelmente não serão realizadas, visando apenas a conquista do poder político e outras vantagens correlatas. É a estratégia de condução político-ideológica, valendo-se da utilização de argumentos apelativos, emocionais ou irracionais, em vez de argumentos racionais para proveito próprio. No livro “A Política”, Aristóteles aponta a demagogia como a corrupção da democracia, assim como a tirania correspondia à corrupção da monarquia”. Atualmente, se refere à demagogia de determinadas correntes políticas, quase sempre como ofensiva de caráter pessoal. No linguajar popular, a demagogia é a prática usual de políticos carreiristas, líderes com o perfil de um “coronelismo moderno” e pessoas com ânsia de obter e manter o poder à qualquer custo. Normalmente, o demagogo acende uma vela para deus e outra ao diabo, não tendo o mínimo de coerência nem guardando princípios elementares da convivência social. Mente com cinismo e desfaçatez como se tivesse falando a verdade e age como um autêntico camaleão, um pavão deslumbrado.
Já sabem à quem nos referimos né?! Então, o demagogo da terra araçatubense, aquele que se vangloria em dizer que “nasceu em Araçatuba”, que “ama Araçatuba”, que “foi isso e mais aquilo”, aquele que se mostra como “o mais puro”, o “mais santo”, o “mais competente”. Aquele que vive pendurado no seu celular em plena sessão da câmara municipal, atento às curtidas, comentários e compartilhamentos de sua imensa rede social. Aquele que pergunta constantemente ao seu colega vereador do lado, se sua “gravata está correta ou seu lindo cabelo está penteado”, afinal, “tem gente até de Cabrobó no abandonado interior baiano, acompanhando a sessão” transmitida via internet! Afinal, a demagogia implica em que o demagogo tente se mostrar belo, formoso e mais bonito que os demais! E a câmara, outrora batizada pelo escritor e ex-vereador Hélio Consolaro, de “palácio do riso”, tem que manter sua imagem, afinal para que servem os circos? Esse demagogo xingava os vereadores de “cambada” e dizia que eleito iria “tirar a lona de cima do circo”, de fato cumpriu a promessa eleitoreira. Tirou a lona, entrou embaixo e ocupa lugar de destaque no picadeiro.
a santidade em pessoa, um quase beato!
Apanhando mais que mulher de malandro, levando sopapos e sendo humilhado pelos demais vereadores, especialmente pelo vereador Arlindo Araújo, que até o ameaçou de engolir suas palavras (impressas num papel), esse vereador demagogo, bebe do próprio veneno. É odiado, desprezado pelos demais edis que em respeito ao decoro parlamentar o chamam de “nobre colega”, mas o fundo gostariam de usar outro termo impublicável aqui. Surrado e cobrado agora por seus eleitores que se sentem traídos, abandonados pelas promessas mentirosas, oportunistas, esse demagogo defende o governo municipal, claro, tem rabo preso, compromissos e agora, esse “membro honorário” da cambada que antes tanto criticava, quer se refazer, tapear o povo com suas passeatas politiqueiras, está convocando uma “gigantesca” manifestação contra Lula. Essa manifestação, se o povo tiver vergonha na cara e caráter, deverá ser esvaziada, pois o dito cujo carcará quer agora se limpar. Esses tucanos do PSDB têm alguma moral para pedir a prisão do Lula? Será que esse demagogo vai pedir a prisão do Aécio Neves? Do Fernando Capez? Do Paulo Preto?! Esse falastrão não tem moral para convocar manifestações contra o Lula. Precisa fazer o dever de casa, limpar o ninho dos tucanos, impregnado de fezes da corrupção! 


domingo, 18 de março de 2018

Vereadores:

Recomeça a dança das cadeiras!
Cláudio Henrique, Cido Saraiva e Arlindo Araújo querem reduzir o número de vereadores em Araçatuba. (Foto: Política e Mais)

Os vereadores Cláudio Henrique (PMN), Cido Saraiva (PMDB) e Arlindo Araújo (PPS), apresentam esta semana, projeto para alterar o número de cadeiras da câmara de Araçatuba, propondo a volta à situação anterior, ou seja, reduzindo de 15 para 12 edis. Alegam os vereadores que o aumento aprovado em 2014, não melhorou o nível da representatividade, dos debates, e aumentou os gastos com assessores, implantação de novas salas, etc. Interessante destacar que à época, Claudio Henrique não votou pois era secretário de Governo do ex-prefeito Cido Sério. Quem deu condições que o projeto fosse aprovado foi a vereadora Tieza (PSDB). Na época, condenamos e protestamos contra o aumento de vereadores por estas e outras razões. Destaca-se que os defensores do aumento das cadeiras tinham sempre na ponta da língua, o discurso que iria melhorar, aumentar a representatividade, que não haveria aumento na despesa de custeio pois o Duodécimo é sempre o mesmo, independentemente do número de vereadores. Aliás, é bom sempre lembrar que esta câmara consome por mês, a absurda cifra de R$ 1.770.000,00 (Hum Milhão Setecentos e Setenta Mil Reais e centavos)! Ali ocorrem fatos misteriosos, inexplicáveis onde chefes de gabinete recebem quase o dobro que o vereador. Estranhíssimo!

Essa questão do número de vereadores nas câmaras municipais brasileiras, é disciplinado pelo artigo 29 da Constituição Federal e deriva daí, as mil interpretações. No caso de Araçatuba, por causa da população, aproximadamente 200 mil habitantes, o legislativo poderia comportar até 21 vereadores! Mas sabemos quem faz as leis nesse país e as motivações que levam parlamentares a defenderem seus próprios interesses. Daí, acontecem absurdos inomináveis, excrescências como é o caso de Birigui, que tem a metade da população de Araçatuba e conta com 17 vereadores! E Andradina? Uma cidadezinha de 50 mil almas, também tem mais vereadores que Araçatuba, onde o povo ignorante, burro, cego elege figuras grotescas como um vereador chamado de Mário Gay, objeto agora de uma CPI por causa de seu controverso comportamento. Diga-se passagem que foi seu próprio partido que quer a sua cassação. E assim vai. Birigui também elegeu José Fermino Grosso, que aliás foi o mais votado. Isso demonstra claramente que Pelé lá por volta de 1970 disse que o “brasileiro não sabe votar”. Pura realidade, pois o povo vende o voto e elege certas figuras que envergonham o legislativo. Mas como a câmara é o espelho da sociedade, fazer o que?!
Vamos ver como vai se comportar esse "paladino" da moral e dos bons costumes, o mais puro, o mais santo, um quase beato na votação.


Vamos ver como se comportarão os vereadores diante dessa proposta de redução das cadeiras. Certamente aqueles que se elegeram agora e com poucos votos, se posicionarão possivelmente contrários. Tem aquele vereador que se considera o “mais puro”, o “mais santo”, o “mais inteligente”, um quase beato, que na campanha eleitoral, pregava e atacava os vereadores xingando-os de “cambada” e foi contra o aumento do número de cadeiras de 12 para 15. Resta saber agora, se esse “santo” vota a favor da redução para manter sua coerência, ou vai defender o seu interesse pessoal e votar contra. É aguardar prá ver. Se é uma virtude que os políticos em geral não cultuam é a coerência. Aquilo que dizem hoje, amanhã já não serve. Sobre a tal representatividade, temos que a câmara de Araçatuba com 15 vereadores, na verdade apenas 3 vereadores – Cláudio Henrique, Batata e Papinha, que, genuinamente podem ser chamados de vereadores da periferia, que possuem fortes ligações com os bairros mais pobres, com as regiões mais necessitadas dos serviços públicos do município. Os demais – 12, moram na parte central da cidade.

A representatividade não melhorou em nada. O povo elegeu 15 vereadores em 2016 e desses, 99% se aliaram ao prefeito, mesmo aqueles antigos desafetos, inimigos, adversários políticos, hoje, jogam no time de Dilador Borges, que tão logo assumiu, montou uma barraquinha na esquina para trocar apoio e voto dos vereadores por cargos comissionados na administração municipal, cooptando, aliciando os vereadores, que hoje, mercê desses “compromissos” assumidos com o alcaide, na verdade, estão na câmara representando os interesses do executivo e não do povo. Votam projetos contra o interesse do povo. A despesa aumentou com a reforma e ampliação de novas salas, mais assessores, chefes de gabinete, mais burocracia e os resultados são pífios. A câmara pouco produz de interesse do povo. Continuam nessas sessões demoradas e inúteis com os famigerados “votos de aplausos”, “votos de pesar”, “títulos de cidadão”, muita rasgação de sedas, puxassaquismo explícito, bajulação desmedida e discursos falsos. Enfim, o melhor mesmo seria o fechamento puro e simples dessa entidade chamada “câmara municipal”.




domingo, 11 de março de 2018

Dilador ataca Arlindo:

Sem rumo, Dilador ataca o vereador Arlindo!
(Foto: Política e Mais)

O prefeito Dilador Borges (PSDB) como já era esperado, deu mostras esta semana de ser uma pessoa intratável, arrogante, prepotente, ignorante, chulo, estúpido e antidemocrático. Por causa de críticas que vem recebendo do vereador Arlindo Araújo (PPS), do mesmo partido da vice Edna Flor, o prefeito destampou o esgoto e atacou o vereador num programa e rádio, dizendo entre outras besteiras que “Você só sabe criticar. Nunca arrumou verba para a cidade. Vem um dia sentar no meu lado ou ao lado da vice–prefeita que é de seu partido, para ver a dificuldade que é administrar”. O prefeito demonstrar ser um completo ignorante, talvez seja aí a razão de sua dificuldade em administrar. E pensar que antes todos pensavam que Dilador Borges esbanjava capacidade e parecia ser um bom administrador. Mas entre vender uns meros sacos de cimento e cuidar de uma cidade com 200 mil almas, vai uma enorme distância. O prefeito está mostrando sua incapacidade, sua inaptidão, principalmente em lidar com as diferenças de opinião. Diz que Dilador Borges se formou em Direito, lá em Rio Preto, talvez tenha faltado na aula de Direito Constitucional ou talvez não leia a Constituição Federal. Arlindo Araújo está corretíssimo! Errado está o prefeito, que ao dizer uma besteira como essa comprova sua cegueira e incapacidade de enxergar a realidade.

O prefeito deveria ler o artigo 30 e 31 da Carta Magna onde se especifica as atribuições de um vereador. E Arlindo Araujo, que não se vendeu a Dilador Borges, não mantém com o prefeito laços e compromissos imorais, antiéticos nada republicanos, não tem rabo preso com o alcaide, este sim, cumpre seu papel, talvez seja esta a razão de estar no legislativo por quase 30 anos, enquanto Dilador poderá ser um mero prefeitinho de um só mandato, pois está perdido, é mal assessorado, mal orientado. Vereador não tem obrigação de trazer verbas para a cidade, isso não é papel de um vereador. Este deve sim fazer exatamente isto que Arlindo faz e muito bem ─ fiscalizar o prefeito! Diferentemente da maioria dos vereadores que foram aliciados pelo prefeito, que, pisando na ética que antes tanto pregava, fez exatamente aquilo que condenava. Comprou as consciências de vereadores irresponsáveis, omissos, estes sim, abrem mão de seu papel principal de fiscalizar o gestor em troca de favores pessoais em troca de cargos na administração pública. Ficam calados, são vereadores-lagartixas, que só sabem abanar a cabeça afirmativamente aprovando tudo que o prefeito quer.

Com Arlindo Araújo, o “buraco é mais embaixo”, e ele não se deixa envolver, não se corrompe, não se dobra, não faz barganhas espúrias. Dilador Borges errou ao aceitar fazer esse jogo sujo, imoral da política. Pregava na campanha o respeito ao povo e ao dinheiro público, mas já no primeiro dia de governo, rasgou essas promessas e nomeou um caminhão de apaniguados, de puxa-sacos, de compadres, lambe-botas, muitas pessoas desqualificadas, mas, indicadas que foram por vereadores, que antes eram desafetos, e que o próprio Dilador não se cansava de criticar, hoje vive aos beijos e abraços, chegando ao cúmulo, ao fundo do poço em nomear o vereador Jaime, seu desafeto histórico, para ser seu homem de confiança na câmara. O prefeito não tem moral, não tem autoridade para atacar o vereador Arlindo Araújo, este sim, um político honrado, sério, defensor intransigente da lei e da ordem. Nunca teve seu nome envolvido em falcatruas, nunca se vendeu para os prefeitos que passaram pelo executivo de Araçatuba. Mas Dilador quer um legislativo submisso, quer os vereadores de joelhos, comendo em suas mãos e fazendo tudo que ele deseja.

Lamentavelmente, em pouco mais de 13 meses de governo, o prefeito dá mostras de estar perdido, sem rumo, sem saber desatar os nós deixados. Acaba de promover alterações em seu gabinete, alterações estas, totalmente equivocadas, erradas, dando mostras que perdeu o rumo das coisas. Tirou a Secretaria do Turismo, que erradamente já tinha juntado com o Meio Ambiente e levou para a Cultura, cuja titular é a vereadora Tieza, que vem dando mostras de total incompetência e habilidade. O fato de Dilador fazer esta alteração, vem provar sua falta de visão administrativa. Tieza vem enterrando a cultura da cidade e não entende absolutamente de turismo. Colocou as comunicações com o Coronel Borella, que antes estava com o secretário de governo Manoel Afonso. Outro erro terrível. Borella, militar de carreira não tem nenhuma habilidade ou capacidade para cuidar das relações com a imprensa, com a mídia. Lamentavelmente, este desgoverno tucano vai passar o tempo fazendo “experimentos” para saber se dará certo ou não. Enquanto isso a cidade perderá tempo e oportunidade. Quando a população acordar, o governo Dilaflor terá acabado e nada foi feito. Quem viver verá!

sábado, 3 de março de 2018

Araçatuba sem deputados?

Eleições: Ficaremos mais uma vez sem deputados?

A classe política está tão desmoralizada, desprestigiada que se contamina entre si. Os candidatos terão uma imensa dificuldade em convencer o eleitor a votar nos candidatos da terra. 

A manter-se a escrita, mais uma vez Araçatuba corre o risco de não eleger nenhum deputado federal ou estadual. Como sempre, a falta de entendimento entre os diversos partidos e correntes políticas da cidade, empurram goela abaixo do eleitor diversos nomes, muitos dos quais não reúnem condições mínimas para se eleger, acabam tirando votos daquele com reais probabilidades, sem contar ainda a maciça votação em candidatos paraquedistas. Essa situação anômala começa já na câmara de vereadores, onde, diversos deles sempre apoiam candidatos de fora, ou seja, alguns vereadores já têm compromissos firmados com seus partidos e buscam repassar votos da cidade para candidatos indicados pelas lideranças de seus partidos. Dunga, Beatriz, Cláudio Henrique, Dr. Alceu, Batata, Zanata, Dr. Jaime, devem apoiar nomes apontados por seus partidos. Cido Saraiva, Arlindo e Papinha serão candidatos. Resta saber que rumo tomarão, Pichitelli, Dr. Flávio, Saito, Carlinhos. Como Bruno Covas (PSDB) deve assumir a prefeitura paulistana e, tradicionalmente é apoiado pelos tucanos, fica a dúvida que rumo o PSDB vai tomar. Silvio Torres, amigo pessoal de Dilador Borges, sempre arrecada alguns votos. Mas, este ano, o prefeito Dilador Borges (PSDB) está com um enorme abacaxi nas mãos.

O deputado federal Fausto Pinato (PRB) de Votuporanga, teve uns míseros 14 votinhos aqui em 2014, mas desde então passou a ciscar frequentemente no ninho tucano, o que deixa Rivael Papinha (PSB) com a pulga atrás da orelha. Pinato tem aberto portas para o prefeito de Araçatuba e desde sua posse, Dilador ameaça apoiá-lo, o que joga Dilador em rota de colisão com Papinha, o presidente da câmara e que será candidato a deputado federal e espera contar com o apoio de Edna Flor e Dilador. Mas, as relações entre os tucanos e os pessebistas não vai bem. Ainda esta semana, a liderança nacional do PSB decidiu afastar-se da candidatura de Geraldo Alckmin, que deverá apoiar João Dória. O vice governador Márcio França, do PSB assume o governo em abril e esperava contar com o apoio dos tucanos para sua eleição ao governo estadual. O que não deve acontecer. Isso inviabiliza um acordo entre o grupo de Dilador para apoiar Papinha e abre caminho explícito para que os tucanos de Araçatuba apoiem Pinato. Papinha diz contar com um forte esquema montado pelo líder sindical, o Chinelo, baseado em mais de 200 sindicatos. É esperar prá ver se esse apoio se transforma em voto.

Diversos nomes da cidade já estão sendo comentados nas bolsas de apostas ─ Carlos Gabas (PT), Cido Sério (Avante, ex-PTdoB), Rivael Papinha (PSB), Arlindo Araújo (PPS), Felipe Luiz (NOVO) e Rodrigo Andolfato (PSL), para deputados federais. Já Cido Saraiva (PMDB), Carlos Hernandes (PMDB) e Edna Flor (PPS) são os nomes para deputado estadual até agora comentados. Mas, Roquinho Barbieri (PTB) e Itamar Borges (PMDB) sempre recebem votos aqui. Há ruidosas conversas de bastidores que indicam que o prefeito Dilador estaria tentando convencer Rivael Papinha a sair para deputado estadual, abrindo espaço para apoiarem Fausto Pinato. Com isso, os tucanos tentam dar uma rasteira em Cido Saraiva que na eleição passada recebeu em Araçatuba 26.132 votos. Papinha teve 20.013 votos para federal. A candidatura de Geraldo Alckmin não decola e em Araçatuba, o único nome abertamente favorável à candidatura Bolsonaro, é do engenheiro Rodrigo Andolfato, que está filiado no PSL, partido que Bolsonaro deverá filiar-se em breve. É preciso lembrar que os 20 candidatos mais votados para federal em Araçatuba em 2014, receberam juntos, mais de 40 mil votos! Que fatalmente fazem falta ao candidato da terra.

Rodrigo Garcia, Tiririca, Marcos Feliciano, Russomano, João Dado, Silvio Torres, Thame, Marquezelli, Marcio Alvino e Fausto Pinato, levaram juntos 38.993 votos! A população araçatubense há muito tempo faz questão de jogar essa montanha de votos no lixo ao escolherem candidatos de fora. Mas a questão colocada é esta: Vale a pena votar nos candidatos da terra? Esses nomes já postos merecem a confiança do eleitor? Talvez, desqualificados, manchados, envolvidos em situações nada republicanas, os nomes lançados na própria cidade, possam não merecer a confiança e os votos dos eleitores. Os resultados dos últimos 30 aos têm sido nessa direção. É tradição também que o eleitor não gosta de perder e vendo desde já que os candidatos da terra não possuem força capaz de chegar lá, preferem votar nos paraquedistas. Vai depender dos eventuais candidatos locais convencerem o eleitor mas o tempo é muito curto. Se Dilador não apoiar Papinha e este não se eleger, o prefeito terá mais um racha na câmara, perdendo apoio do vereador do PSB e do Chinelo, abrindo uma crise na governabilidade.

Mas qual a razão que leva o vereador local a apoiar candidatos de fora? Simples! Os vereadores, preocupados principalmente com a sua própria sobrevivência política, “acerta” apoios com deputados estaduais e federais, num troca-troca criminoso, imoral, numa relação incestuosa, pecaminosa. Hoje eles apoiam esses paraquedistas. Amanhã, recebem apoio destes. Depois, ficam correndo com o pires na mão, atrás de míseras emendas parlamentares para anunciarem ao povo que conseguiram isto e mais aquilo! Na verdade, esses vereadores vendem a alma ao diabo, traem o eleitor e correm como não é diferente, atrás de seus interesses próprios e não os interesses do povo.  A cidade corre o risco de mais uma vez ficar sem representantes em S. Paulo e Brasília por causa dessa situação esdrúxula dos representantes políticos eleitos pelo povo. E o povo? O povo, talvez premido por ver como e comportam esses representantes, acaba por sua vez alimentando esta situação e vota também em candidatos de fora, justamente por não confiar, não acreditar nos nomes colocados à sua apreciação. É a velha situação ─ “santo de casa não faz milagres”.