sábado, 30 de agosto de 2014

Todo cuidado com essa Marina é pouco!

Marina Sillva é o Collor de saias!

A nova sensação da campanha eleitoral, a ex-senadora do PT e ex-ministra do Meio Ambiente do governo Lula, reapareceu na cena política na crista da onda de um verdadeiro tsunami que botou a pique a candidatura de Aécio Neves e Dilma Rousseff. Marina Sillva quer mostrar uma nova cara, apresentando-se como terceira via no processo eleitoral, com um discurso do novo sobre um trapo velho. Publicamente faz elogios a Lula e a FHC desejando contar com ambos em seu eventual governo. Coisas da política surreal querer juntar tucanos e mensaleiros no mesmo palanque. 

No entanto, Marina ao mostrar-se como algo novo na política, busca angariar votos daqueles eleitores desiludidos, cansados desse velho eixo PT-PSDB mas, ela erra, ela peca ao tentar emplacar esta imagem de um político novo, ao cercar-se de gente perigosa e das antigas. Um de seus conselheiros da área econômica, André Lara Resende, foi um dos que criou o famigerado "Plano Collor" que confiscou a poupança em 1990. Gianetti é tucano de quatro costados. Ela tem como inseparável "anjo da guarda", Neca, filha do dono do Banco Itaú e seu vice, foi líder do PT na Câmara Federal. Seu discurso é uma confusa peça de idéias onde ela tenta agradar, ser simpática com todos. Até ontem ela era terminantemente contra o casamento gay e foi uma das únicas a apoiar o ridículo e energúmeno pseudo-pastor Marcos Feliciano quando este presidia a Comissão de Direitos Humanos. Pressionada por setores ultra-ortodoxos dessas igrejas evangélicas medievais ela voltou atrás em seu plano de governo sobre o assunto.

Na área do agro-negócio, ela é o próprio demônio na ótica dos fazendeiros por suas idéias extravagantes sobre o meio ambiente, a agricultura, ocupação da Amazônia, etc. Apesar de ter se afastado do PT, até ontem seu marido ocupava cargo de confiança no governo petista dos irmãos Viana, no Acre, com quem ela mantém excelentes relações. Aliás, diga-se passagem que, em sua terra, seu berço político, o Acre Marina ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais de 2010 e, apesar de suas antigas ligações com Chico Mendes, a familia deste afirma não votar nela. Soa estranho isso.

Os neo-marinistas, iludidos, empolgados com esse fervilhante momento, esquecem de um detalhe - Marina não conseguirá, se ganhar o pleito, eleger sequer 20% dos congressistas. Hoje ela prega aquele bom e velho discurso de ética de não trocar cargos por apoio, fazer concessões, barganhar espaços e ministérios. Todos candidatos dizem isso. Lula, antes endemonizava seus opositores, hoje se humilha, se rasteja aos pés de Maluf em troca de votos. Antes, Maluf era um ladrão, hoje...bem hoje, que diferença existe entre Maluf e petistas? Fernando Collor, o então "caçador de marajás", o paladino da ética, o novo, o bom, também elegeu-se pelo insignificante PRN e depois? Depois teve que aceitar o jogo dos caciques da época - Ulisses Guimarães, Paulo Maluf, Antonio Carlos Magalhães, José Sarney, os que de fato mandavam. E o quê aconteceu? Collor tornou-se refém do congresso acabando por ser posto prá fora do cargo. Porquê com Marina seria diferente? Se eleita, ela terá pela frente forte oposição do PMDB, PT e  PSDB. O PMDB adora cargos, seja quem for que estiver governando, logo, Marina, para ver seus projetos e reformas aprovados, terá sim que se dobrar à ânsia desmedida desses partidos no troca-troca por cargos e poder. Em quê ella é nova?!




domingo, 24 de agosto de 2014

Cido quer comissionados votando em Cidinha:

Cido Sério quer todos comissionados votando em Cidinha! 


O prefeito Cido Sério (PT), tomou uma decisão polêmica, forte que surpreendeu todo o mundo político de Araçatuba, ao exigir que todos os comissionados, funcionários nomeados sem concurso público, indicados, apadrinhados por vereadores votem na marra na candidata petista à Assembléia Legislativa, Cidinha Lacerda, sua ex-primeira dama de quem é divorciado, mas que assumiu o comando da campanha.  O inesperado gesto do prefeito, causou rebuliço dada à medida que noutras situações nunca antes ocorrera e acabou respingando na Câmara Municipal, pois de cara foram postos para fora da prefeitura, servidores indicados, apadrinhados pelo vereador Cido Saraiva (PMDB) que, por conta desse desencontro, acabou rompendo politicamente com o prefeito de Araçatuba, a quem há seis anos deu total sustentação no legislativo. Esta nova situação, acabou tendo outras repercussões pois agora o prefeito perdeu sua maioria e está empatada a situação entre as bancadas, sendo seis para cada lado. Estranhamente, Araçatuba deveria ter número de impar de vereadores. Futuramente, haverá desentendimentos nas votações pois o presidente só deve votar em casos de empate. A primeira crise a ameaçar Cido Sério, será a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias. Sem maioria, o prefeito ficará "engessado" com eventuais manobras da oposição, diminuição de valores de remanejamento, etc. Pior - caso surja uma nova denúncia grave ou um novo pedido de Comissão Processante, a cabeça do prefeito poderá rolar.

Os analistas políticos e os bastidores da cena política local não conseguem entender as razões que levaram o prefeito a tomar uma medida drástica que resultou no rompimento político com um dos seus maiores defensores. Cido Sério corre um risco muito grande ao perder sua naioria que já era frágil. Ficará refém dos demais vereadores da base de sustentação que poderá inviabilizar seu governo nesses últimos dois anos de mandato. A vitória de Alckmin é um fato consumado. A derrota de Dilma é possível. Assim, Cido Sério perderia total apoio de Brasília e de São Paulo, ele que sempre desprezou o governador Geraldo Alckmin ficará em maus lençóis principalmente diante de uma eventual vitória de Dilador Borges (PSDB) do mesmo partido do governador, vão deixar o alcaide à pão e água! Cido Sério poderá terminar seus dias à frente do Executivo da mesma forma que Jorge Maluly Neto, cassado e abandonado.

O interessante  disso tudo é que a outrora base de sustentação na Câmara  Municipal, antes com 8 vereadores, caiu para 7, com a saída de Nava e agora de Saraiva. O detalhe é que de todos os vereadores ligados ao prefeito, nenhum apoia Cidinha Lacerda. Todos os vereadores possuem compromissos outros, que desagradaram o petista. Segundo-se sabe, até o líder da bancada situacionista, Prof. Cláudio foi chamado ao gabinete e teria sido exigido que ele mandasse seus assessores e apadrinhados na prefeitura, a retirarem os banners e decalques de Roquinho Barbieri (PTB) apoiado por Cláudio. Ironia é que Roquinho conseguiu muitos recursos e ajudou Cido Sério desde a primeira hora de seu mandato. Com esta medida, tudo indica que uma crise ou um eventual rompimento entre Cido e Roquinho é algo a ocorrer.  A única vereadora petista Beatriz Nogueira, tem diferenças com Cidinha por causa que esta apoiou Fernando Zar na eleição do diretório, impondo humilhante derrota a Beatriz Nogueira. Esta por sua vez, agora apoia para deputado estadual, Tato. Batata (PR) apoia candidato do seu partido. Papinha é candidato a deputado federal e dobra com candidato do PSB. Jaime J. da Silva, apoia candidato do PTB, Cido Saraiva é candidato pelo PMDB e Cabo Claudino, não se manifestou. O mais estranho é como ficará a situação do vice-prefeito Carlos Hernandes que é do mesmo partido de Cido Saraiva. Tempestades à vista no horizonte! Quem viver, verá!!!  

domingo, 17 de agosto de 2014

Parcerias e candidaturas paraquedistas

Parcerias e candidaturas paraquedistas 

Estamos em pleno momento eleitoral, quando inúmeros candidatos se apresentam aos eleitores postulando votos com vistas a se elegerem como representantes da cidade e região em São Paulo ou Brasília. Desde há muito Araçatuba não elege diretamente um deputado federal, enquanto que Rio Preto costuma enviar para o Congresso, às vezes dois ou mais parlamentares, inclusive um senador e para a Assembléia em S. Paulo, uns cinco ou mais nomes. Temos já um indefectível complexo de “vira-latas” em relação à Rio Preto ao fazer a indesejável comparação. Lá tem tudo, aqui estamos sempre na contramão, perdendo tudo, claro, há um exagero nisso, mas não deixa de mostrar uma triste realidade. Araçatuba, pressionada entre Prudente e Rio Preto, perde feio, um 7 x 1 em termos de representatividade política.

Um dos graves problemas é a presença de candidatos de outras regiões que aparecem por aqui na época das eleições proporcionais e encontram receptividade, guarida entre as destacadas lideranças locais, especialmente vereadores. Agora por exemplo, praticamente a maioria dos edis apóiam candidatos “paraquedistas”. Um absurdo é o fato da bancada de sustentação ao governo municipal, em número de sete vereadores, nenhum apóia a candidata do PT Cidinha Lacerda, indicada pelo prefeito Cido Sério! Alguns possuem compromissos partidários em nível estadual ou federal para se posicionarem desta forma. Rivael Papinha, caminha isolado, já que postula uma vaga como deputado federal, não conta com nenhum apoio local. Isso é tremendamente lesivo, danoso aos interesses da cidade, mas, infelizmente, os agentes políticos pensam primeiro em seus interesses pessoais.

O fato de o eleitor votar de forma desordenada, votar em nomes e não em partidos, cria uma situação embaraçosa, inusitada para a administração dos problemas da cidade. Existem “problemas” municipais, estaduais ou federais. Esses às vezes se contextualizam, se moldam e precisam ser resolvidos de forma equânime, de forma conjunta. Lamentavelmente, se os representantes políticos eleitos são de partidos diferentes, de grupos partidários diversos, isso repercute nos temas de interesses da comunidade.  Vejamos o exemplo pertinho de nós. O prefeito Cido Sério, é do PT, o representante estadual é o suplente de deputado Dilador Borges, do PSDB. O governador Geraldo Alckmin é do PSDB e a presidente Dilma Rousseff  é do PT. O Senador pela região é Aloísio Nunes Filho, do PSDB e não temos um deputado federal da cidade. Toda essa sopa de letrinhas ideológicas e partidárias estabelece uma crise de identidade e gera intermináveis dificuldades para o próprio eleitor, para o povo.

Só para exemplificar, dois enormes problemas quase que insolúveis – a duplicação da Rodovia Elieser Montenegro Magalhães e uma escola no Bairro Etemp. De início, o prefeito assinou contrato para desapropriar áreas lindeiras da referida via. Não cumpriu. Abandonou o projeto e a rodovia está lá, largada, gerando enormes transtornos e causando acidentes. Tudo isso por mero capricho pessoal e rixa com o então deputado estadual Dilador Borges, a quem o prefeito de forma descortês até se recusou a receber ou sequer cumprimentar em seu gabinete. O governador veio à cidade inúmeras vezes e o prefeito o ignorou. Só agora, em final de mandato de Alckimin, Cido Sério acenou com a proposta de estabelecer parcerias. A construção de uma escola, indicação apontada por Dilador Borges, no Bairro Etemp, esbarrou no desinteresse do prefeito em ceder o terreno. Enfim, estes gestos, estas posturas onde se opõe interesses partidários e pessoais, são altamente danosos aos interesses maiores, do povo, por isso, o cuidado na hora de escolher seus candidatos.

No entanto, essa discussão sobre candidatos paraquedistas, nos leva a refletir sobre um insuperável dilema ˗ o nível dos candidatos lançados em Araçatuba. Os dois nomes que postulam uma vaga para deputado federal, o vereador Papinha (PSB) e o ex-vereador Luciano Gomes (do insignificante PTdoB), não reúnem mínimas condições de se elegerem. Papinha foi muito bem votado para a reeleição de vereador obtendo mais de quatro mil votos, mas uma eleição federal é outra situação. Já Luciano Gomes, que já foi vereador, em 2012, obteve a “estrondosa” votação de 754 votos para vereador em Araçatuba! Parece piada, mas não é. Agora quer ser deputado federal!!! Sem contar outros nomes medíocres, insignificantes que não se elegeriam como síndicos de condomínio! É brincar com o eleitor. Aí vem esse discurso de que é preciso votar nos candidatos da terra!!! Já para deputação estadual, apenas três nomes reúnem condições de pelo menos sonhar em eleger-se – Cidinha Lacerda (PT), Dilador Borges (PSDB) e Cido Saraiva (PMDB). Os demais só ficarão com eventuais dívidas de campanha.   

Sem opções, o eleitor de Araçatuba, por razões pessoais, ideologia política-partidária, dogmas, posicionamento político, decepção, acaba optando por nomes de fora. Ninguém quer perder, jogar o voto fora. Isso é uma tradição, um costume entre os brasileiros. No meu caso, escolhi para minha candidata a deputada federal, Mara Gabrilli, do PSDB por ser uma pessoa que conheço, é cadeirante, tetraplégica, uma lutadora incansável pelos deficientes brasileiros. É psicóloga, foi secretária municipal em São Paulo, na Secretaria Para Assuntos da Pessoa com Deficiência, eleita vereadora e depois deputada federal, luta para ser reeleita e merece estar no Congresso para continuar lutando em defesa dos menos favorecidos, notadamente os deficientes, que como ela própria, sentem na pele o descaso, o abandono das autoridades. O fato de não ser de Araçatuba, não a diminui pois a mesma representa os anseios de todo um segmento esquecido, desprezado pelas políticas públicas, os deficientes em geral. Ela representa os brasileiros que sofrem e têm muito mais dificuldades para conseguir que seus pleitos sejam atendidos, quando o são. Esta é a razão que votarei em Mara Gabrilli e estou pedindo aos meus amigos, eleitores paulistas que apertem lá na urna 4517. Esta eu indico e confio!  



sábado, 9 de agosto de 2014

Iminente derrota leva PT ao desespero:

Iminente e provável derrota leva PT ao desespero!


Como aconteceu na eleição passada, cartazes da campanha política de Dilador Borges (PSDB), foram alvos em plena luz do dia de ataques de vândalos, gente possivelmente "orientada" a rasgar con golpes de estilete ou faca, a propaganda do candidato tucano. Em 2012, foi identificado um sujeito, filmado enquanto agredia a propaganda de Dilador. Era filho de um ex-vereador que aparentemente nada tinha de ligações com os adversários do PSDB. Contudo, foram colocados "panos quentes" e o assunto morreu. Agora, novamente, esta semana, pessoas moralmente desqualificadas, sendo manietadas, usadas como autênticas "mãos-de-gato" promoveram um verdadeiro festival de rasgação dos retratos de Dilador e Aécio, como também de Alckmin. Não é preciso ser nenhum Sherlock Holmes para saber de onde vieram as "ordens" ou de quem seria o interesse neste gesto baixo, imundo, nessa prática leviana, irresponsável de se fazer campanha. Qualquer criança aí na cidade pode identificar a quem interessava esse tipo de atitude sórdida, calhorda e imoral. 

A semana também foi marcada pela gravíssima denúncia de que servidores de dentro do Palácio do Planalto, entraram no site "Wikipédia" para editar, para acrescentar informações desabonadoras contra dois respeitáveis profissionais de imprensa, mais precisamente da Rede Globo, Mirian Leitão e Alberto Sandemberg, reputados comentaristas econômicos dos noticiários da emissora. Fizeram acréscimos tentando denegrir, macular a honra e a dignidade profissional dessas pessoas. Investigações detectaram que as edições criminosas partiram de computadores de dentro da sede do governo federal, ou seja, gente do governo, gente do PT, gente da campanha de Dilma, pagos com dinheiro de todos os brasileiros, e de quem se esperaria um comportamento acima de tudo republicano, leal, honesto. Há alguns meses, foram feitas acusações graves, pejorativas e imorais contra Aécio Neves e descobriu-se que partiram de computadores de dentro da prefeitura de Guarulhos cujo prefeito, como não poderia deixar de ser, um petista com todos predicados e acautelatórios de gente vil, interessado em plantar informações mentirosas, levianas contra o candidato tucano.

O PT e os petistas estão desesperados diante do quadro eleitoral. Os números das pesquisas apontam na direção de um afundamento do "Titanic" de Lula e Dilma, arrastando junto uma imensa organização que hoje não se distingue se é de fato um partido político ou uma "troupe" disposta a praticar todo e qualquer tipo de violação legal para se manterem no poder, custe o que custar. O PT se vale de verdadeiras "tropas de choque", como o MST, MTST, células isoladas, conselhos locais, envolvendo militantes fanáticos dispostos a morrerem pelo partido e por seus líderes. A prova disso é que mesmo havendo condenação pelo Supremo, os principais cabeças do "Mensalão" são idolatrados  cegamente. Isso ficou claro quando se abriram as contas para arrecadarem dinheiro para o pagamento das multas dos ladrões presos, Zé Dirceu, Genoíno e outros. Movidos por um fanatismo doentio, alguns petistas psicopatas são capazes de cometer qualquer crime. Está aí, uma discussão da presença desses vândalos, esses agitadores subversistas, os "black blocks", que teriam sido formados a partir de alguma facção ligada ao PT para tumultuarem as manifestações pacíficas contra o governo. Vários líderes presos tem ligações com o PT e são subsidiados para essas atividades criminosas. Ainda este mês, o próprio partido expulsou de seus quadros, um deputado paulista, segundo se apurou, com  ligações ao PCC, lavagem de dinheiro, etc. 

Nunca é demais lembrar as mortes até hoje mal explicadas dos ex-prefeitos petistas - Celso Daniel, de Santo André e Toninho do PT, de Campinas. Há uma cortina de fumaça estranhamente envolvente que tenta esconder as razões que levaram as mortes desses políticos. Corrupção, desvio de dinheiro, pagamento de propina, caixa 2 de campanhas, traições e toda uma gama de ingredientes dignos de uma Agata Christie em seus monumentais livros de crimes insolúveis. O nome de Zé Dirceu, Gilberto Carvalho, Lula e outros altos cabeças petistas são sempre lembrados. Testemunhas foram mortas, o processo não anda, delegados afastados. Enfim, não se consegue separar as atividades criminosas das ações políticas de um partido que nasceu com a elevada bandeira da ética, da moralidade pública, bons costumes. Tão logo chegou ao poder, juntou-se ao que de pior existia nos quadros políticos -  Maluf, Sarney, Barbalho, Renan, Collor, preferindo expulsar de suas fileiras nomes honrados, dignos como Heloisa Helena, Luciana Genro, etc. diante da incompatibilidade do PT em manter suas práticas políticas dentro daquilo para o qual fora criado. Isso desaguou no maior escândalo político da história brasileira, o "Mensalão".    

sábado, 2 de agosto de 2014

Câmara: Vereadores retomam sessões

Câmara Municipal retoma sessões legislativas

Foto: AG - Angelo Cardoso

A Câmara Municipal de Araçatuba retoma nesta segunda-feira (4.8.14) as sessões legislativas tendo pela frente uma discussão prá lá de indigesta - o projeto sobre a destinação dos resíduos sólidos, ecopontos, coleta de lixo, etc. O prazo para que todos os municípios brasileiros cumpram as exigências federais neste setor, esgotou-se no final de julho. Araçatuba, como a maioria das cidades brasileiras não cumpre a legislação e poderá perder recursos federais na área. Desde janeiro de 2013 a cidade debate este tema com a possibilidade da implantação de um centro de gerenciamento de resíduos sólidos na região rural da Água Limpa. Acaloradas discussões aconteceram, mas até agora ninguém dorme tranquilo de que o problema esteja de todo resolvido. No entanto, como em fevereiro de 2015 deve ocorrer uma nova eleição para a escolha da Mesa Diretora, pelo menos nos bastidores, nos gabinetes, este assunto deve nortear as discussões mesmo que veladas. O atual presidente, Jaime José da Silva (PTB) deve tentar a reeleição mas suas chances são mínimas. Sua gestão foi marcada por tomadas de posições contraditórias, parciais e por sua indefectível arrogância, prepotência e forte apego ao cargo. Em muitos momentos se comportou mais como cabo eleitoral e defensor intransigente do prefeito Cido Sério (PT), que um magistrado, pisando sobre o Regimento Interno e demais leis, tanto que é alvo de investigação por parte do Ministério Público por abuso de poder ao deixar de por em votação do plenário, o pedido de criação de uma Comissão Processante para afastar o prefeito. Sua reeleição só ocorrerá se o prefeito Cido Sério impor sua vontade sobre a base de sustentação, no entanto, pelo menos dois nomes surgem na disputa dentro do grupo: Cido Saraiva (PMDB) e Beatriz Nogueira (PT). Dificilmente Jaime conseguirá angariar votos para tentar se manter no cargo. 

Cido Saraiva, já presidiu o legislativo araçatubense, goza de muito prestigio e disputa uma vaga como deputado estadual. Em não se elegendo, com certeza tentará reassumir a presidência. É um vereador dos mais atuantes, simpático, atencioso e gentil com todos e pode até contar com votos da oposição. É bem sintonizado com o prefeito mas mantém uma republicana distancia sem mostrar bajulação. submissão ao Executivo como acontece atualmente. Por outro lado, o prefeito poderá tentar emplacar o nome de Beatriz Nogueira, cometendo um segundo êrro pois a mesma segue idêntico comportamento arrogante e tem restrições até mesmo dentre os vereadores da situação. O vereador Cláudio Henrique (PMN), atual líder do prefeito, está na Câmara há vários mandatos e pode correr por fora com o apoio da oposição por conta de sua simpatia e educação. Mesmo sendo o líder do prefeito, é humilde, respeita os vereadores oposicionistas e em momento algum tenta "passar o trator" sobre os mesmos. Pode surpreender se tiver o apoio do prefeito Cido Sério. Pelo lado da oposição, os vereadores em número de 5, podem tentar emplacar um nome contando com uma eventual divisão no grupo da Situação, destacando-se aí o nome de Edna Flor (PPS) que já foi presidente e goza de elevado apoio popular. 

O atual presidente da Câmara, Jaime José da Silva, terá pela frente, nas próximas semanas, um outro abacaxi para descascar. Trata-se da eventual cassação do mandato do vereador Hermenegildo Nava (PROS) que está sendo alvo de uma investigação do Ministério Público Eleitoral por possivelmente ter violado a legislação ao advogar contra a Prefeitura quando já era vereador eleito e membro da Mesa, fato que fere o Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Se a justiça entender que houve a violação do disposto legal, o presidente da edilidade terá que decretar a perda do mandato de Nava. Atualmente, fazem parte da base de sustentação (Situação), os vereadores, Jaime, Beatriz, Cido Saraiva, Batata, Cabo Claudino,  Profº. Cláudio e Rivael Papinha. Da Oposição fazem parte: Edna Flor, Arlindo Araújo, Carlinhos, Tieza e Nava. O ex-vereador Rosaldo Oliveira, teve seu mandato cassado, tenta um recurso mas dificilmente retorna à Câmara, o que é lamentável, pois era muito atuante e ainda continua prestando um enorme serviço público voltado para o cuidado com animais abandonados pela cidade, como cães e gatos. Criou por sua conta, um equipamento móvel para castrar esses animais, o "Castramóvel".

Como estamos há 2 meses exatos da eleição, certamente, as futuras sessões do legislativo ocorrerão sem maiores problemas por conta das candidaturas de Papinha, para deputado federal e Cido Saraiva, para estadual. Estranhamente, nenhum vereador da base situacionista apóia a candidatura de Cidinha Lacerda (PT) para deputada estadual, o que pode inviabilizar seu projeto. Cada vereador tem seus compromissos com candidatos de outras regiões e fatalmente vão se desdobrar na busca pelos votos. Assim sendo, espera-se que as sessões legislativas só ganhem espaço nas agendas de todos depois do dia 5 de outubro, intensificando-se assim a luta nos bastidores com vistas à eleição da Mesa Diretora que ocorrerá em fevereiro de 2015. Este período igualmente marcará a metade do mandato dos atuais legisladores e do prefeito. À partir daí começa o burburinho quanto às eleições municipais de 2016. Até o presente, o desgastante tema de ampliar o número de cadeiras e vereadores a serem eleitos, está sob as cinzas. Apenas Jaime  José da Silva, como não poderia deixar de ser, alimenta essa idéia impopular e contrária ao interesse público. Já está mais que provado e comprovado que o povo, o eleitor não quer saber de mais vereadores em Araçatuba.      

sábado, 26 de julho de 2014

"A diplomacia brasileira é irrelevante, é anã!"

                                                                           Não é de hoje que a diplomacia brasileira passa por uma “saia-justa” deplorável que expõe claramente as limitações, as falhas e fraquezas da política exterior brasileira. O governo petista, desde  Lula e alcançando o atual com Dilma Rousseff tomou posições discutíveis, questionáveis e acima de tudo, polêmicas e inócuas. Essa aproximação com governos autoritários, antidemocráticos, verdadeiras ditaduras disfarçadas, colocam em xeque a visão que países mais ricos e influentes têm do Brasil. As relações com o governo ditatorial dos irmãos Castro’s em Cuba, o apoio ostensivo ao regime venezuelano, boliviano, peruano, colombiano e a proximidade com a Rússia, Irã e China, contrapõe os interesses de Washington e seus aliados na Europa. Essa situação agravou-se com a descoberta dos grampos nas comunicações até mesmo da presidente do Brasil, que ater cancelou uma viagem para encontro com o presidente Barack Obama contribuindo assim para um maior distanciamento entre o Brasil e Estados Unidos.

Uma sucessão de erros e trapalhadas cometidas no âmbito do Itamaraty deixaram em situação ridícula figuras importantes das relações exteriores. O Brasil não soube administrar com eficácia e nos termos dos tratados internacionais, aquela situação esdrúxula do asilo diplomático dado ao presidente deposto de Honduras, Zelaya, que refugiou-se na embaixada brasileira naquele país. Quando da invasão das instalações da Petrobrás Na Bolívia, por determinação do governo Evo Morales, o então presidente Lula foi omisso, subserviente e cedeu diante das intimidações e pressões do governo boliviano, contrariando os interesses do Brasil. Mais recentemente, outra trapalhada diplomática foi  a fuga da Bolívia, com lances cinematográficos de um diplomata brasileiro, trazendo escondido num carro oficial da embaixada brasileira, um senador boliviano, sem o devido salvo-conduto, perseguido por Evo Morales. Até hoje, este senador encontra-se escondido no Brasil, sem que o Itamaraty tenha resolvido sua situação, mostrando claramente a incompetência, a incapacidade de gestão dos diplomatas e do próprio governo de Dilma Rousseff.

Lula sempre teve a desmedida e improvável ambição de elevar o Brasil entre os grandes e poderosos, conseguindo para isto, um assento no Conselho de Segurança da ONU. Para tanto, o ex-presidente aproximou-se de diversos governos africanos, tentando cooptar apoio e votos para atender os interesses do governo brasileiro. Não só Lula como Dilma perdoaram bilhões de Reais em dívidas que muitos desses países tinham para com o Tesouro do Brasil. O governo brasileiro fechou os olhos a inúmeros e indesejáveis problemas como as ditaduras africanas, a crise na Líbia e mais recentemente a ocupação vergonhosa da Rússia na península da Criméia, apoderando-se de território ucraniano. Dilma sequer tocou neste assunto com o presidente russo Wladimir Putin em visita ao Brasil, assim como nunca trata de assuntos como governo chinês relativos aos direitos humanos, trabalho escravo e a indevida ocupação do Tibete.

Nem temos nestes governos do PT, um nome respeitável, digno, compatível com a dignidade, o caráter cerimonial de um chanceler. Celso Amorim e Antonio Patriota, dois verdadeiros imbecis, verdadeiros fantoches, pois quem de fato usurpou o cargo foi Marco Aurélio Garcia, uma espécie de “Rasputin” caipira que desde o governo Lula vive se esgueirando pelas salas do Planalto agindo como verdadeiro representante do governo nos assuntos do exterior. Até hoje não se entendem as razões que de fato levaram Lula e Dilma a manterem esse indivíduo sem um cargo definido a agir com mais poder que os ministros de fato. Garcia transita bem entre esses governos latino-americanos e goza da confiança de Lula. É simpático e ideólogo do PT nos assuntos bolivarianos e cubanos. 

Agora, em mais uma trapalhada ridícula, o Brasil se intromete nesta delicada questão envolvendo Israel e os palestinos. Uma questão quase que insolúvel, milenar e que em termos gerais está distante dos interesses brasileiros. Ao tomar posição em favor do grupo terrorista Hamas, o Itamaraty acaba de protagonizar mais um episódio grotesco, surreal e acima de tudo expondo a fragilidade de nossa diplomacia. Ao reagir sobre o fato, a chancelaria israelense reduziu o governo brasileiro à uma condição de deboche ao ridicularizar nossa diplomacia comparando-a como “anã e irrelevante”. Lamentavelmente, os diplomatas de Israel disseram a verdade e complementaram: “Desproporcional é um 7 x 1”. Triste situação que deve constranger os ossos do Barão do Rio Branco! 

sábado, 19 de julho de 2014

Deficientes continuam excluídos:

Deficientes: Ainda cidadãos excluídos!

Alguns deficientes precisam de um transporte específico, personalizado de casa para centros de recuperação física, atendimento médico, odontológico, fisioterápicos, não sendo possível por meio das linhas convencionais da TUA.


Em que pese a Constituição Federal em seu art. 5º determinar que “todos são iguais...” e no art. 227, II que prevê a “criação de programas de prevenção e atendimento especializado (...) e a facilitação do acesso aos bens e serviços coletivos...”, o deficiente físico, visual, mental, continua sendo tratado de forma excludente, humilhante e ignorado pelos gestores públicos de uma maneira geral. O Brasil é signatário da Convenção Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, das Nações Unidas que, por força do disposto no art. LXXVIII, § § 2º, 3º, da Constituição Federal, cujos princípios determinam a “plena e efetiva participação e inclusão na sociedade”, além de reconhecer a “acessibilidade" como princípio persiste a negação, a omissão daqueles responsáveis por proporcionar e criar a condições de acesso dessa parcela da sociedade, mantida em verdadeiros guetos  sociais impedidas do simples ato de ir e vir, tolhidas em buscar crescer, buscar tratamentos adequados e acessos aos locais disponíveis para este mister.

Recentemente a imprensa divulgou informação sobre o descumprimento de decisão judicial por parte da Municipalidade para que deficientes sejam transportados em veículo próprio, especialmente adaptado para esta tarefa afim de que possam chegar aos locais de tratamento médico-ambulatorial ou onde pratica algum tipo de exercício físico ou estuda e esta determinação não vem sendo cumprida pela Prefeitura Municipal de Araçatuba, após determinação emanada do Tribunal de Justiça de São Paulo, cujo prazo de 120 dias esgotou-se, mostra claramente este descaso. Várias famílias necessitam deste tipo de transporte personalizado tendo em vista que os ônibus da TUA mesmo que adaptados, apenas trafegam nas linhas usuais não podem fazer esse atendimento de casa em casa. Inúmeros deficientes precisam chegar até o local onde fica a AADEFA onde recebem tratamento de fisioterapia e mantêm contatos com outros e os voluntários que prestam algum tipo de atendimento naquela instituição que mercê dos esforços de seus diretores de há muito passa por difícil situação financeira, não podendo assim dispor de meio de transporte próprio.

É um absurdo que a Municipalidade se mantenha silente, omissa e trate este assunto com certo desprezo e desatenção. Os deficientes de uma forma geral são tratados como cidadãos de segunda classe. Não deveria ser assim. Os princípios básicos de nossa cidadania indicam que todos devem ser tratados de forma igual ou desigual na medida de sua desigualdade. Os deficientes sofrem constantes violações em seus direitos elementares quando pessoas inescrupulosas ocupam as vagas de estacionamento sem o menor pudor ou “furam” as filas destinadas a idosos e pessoas com limitações físicas. O poder público deveria dar uma atenção mais próxima, mais humanizada e solidária à estas pessoas que sofrem  limitações de caráter físico, mental e dependem extremamente de suas famílias que, em muitos casos sofrem por não terem as condições necessárias e o devido apoio das autoridades. Tais seres igualmente merecem o nosso carinho, nossa atenção e respeito.