sábado, 17 de janeiro de 2015

Fuzilamento do traficante merece aplausos!

Fuzilamento do traficante merece aplausos do Brasil !

Praticamente todos os dias são presas as tais “mulas”, pessoas que se sujeitam, por algum dinheiro a traficar drogas de todos os matizes principalmente proveniente da Bolívia e Paraguai. Quase que diariamente vemos mulheres e homens sendo presos nas rodovias de nossa região, muitos até com o entorpecente dentro do estômago. A polícia cumpre seu papel, mas isso não intimida nem diminui o tráfico pois essas pessoas e os traficantes sabem da certeza da quase impunidade, muitos usam menores o que dificulta a aplicação da lei, etc. Araçatuba, como a maioria das cidades brasileiras, está tomada, “ocupada” pelas drogas. Circulando por diversos bairros da cidade, à luz do meio-dia pessoas fumam livre e descansadamente maconha, crack etc. A polícia não dá conta. Prende menores, estes levados à delegacia, prestam depoimento e são liberados. Lares são destruídos, pessoas, carreiras massacradas. Famílias inteiras destroçadas pela ação nefasta da droga. Pais se desentendem, expulsam filhos que andam pela noite e dia tal quais zumbis insepultos. Vejam o drama da cracolândia em S. Paulo e a verdadeira carnificina nos morros cariocas em função da ação de traficantes e da venda de drogas. É um inferno sem sim!

O país acompanhou este episódio do fuzilamento do traficante brasileiro Marcio Archer, que foi preso ao tentar entrar na Indonésia com cerca de 13 kgs. de cocaína. País com uma das mais rígidas legislações sobre o tema e de orientação mulçumana, não concedeu clemência nem atendeu pedidos pela suspensão da pena feita por autoridades brasileiras. A presidentE se mostrou “indignada”, mas esta mesma presidente não se indigna com os milhares de fuzilamentos que ocorrem extra-oficialmente no Brasil por conta da “guerra” entre gangues de traficantes onde crianças, mães, estudantes, trabalhadores são mortos diariamente. Essa presidente não se indigna e não endurece as penas e as leis para coibir o tráfico e o consumo, mas usa de demagogia, de hipocrisia para aparecer nas mídias pedindo em favor de um criminoso, um bandido, alguém que ganhava dinheiro levando drogas e contribuindo para destruir lares pelo mundo. Mesmo ciente da grave e dura lei indonésia esse traficante desalmado não hesitou em entrar num país desrespeitando suas leis.

Pior são as pessoas tomadas por um espírito de compaixão, piedade, dó e amor ao próximo, defendem esse bandido condenando a penalidade imposta pelo governo de Jacarta. Bando de gente hipócrita, falsa, alienada e travestida de falsas virtudes peregrinas, sentimentos de religiosidade e pura cretinice em defender esta inversão de valores por simplesmente defender valores menores da sociedade brasileira que de há muito peca ao elevar a corrupção, a bandalheira, os desmandos, ao altar das virtudes éticas e morais. Gente desqualificada, gente baixa e imoral que prega um falso amor ao próximo ao criticar e defender um traficante como este, corretamente fuzilado e enviado para o inferno em boa hora! Esses pseudos-defensores dos tais famigerados direitos humanos, essa hipócrita e desmoralizada Anistia Internacional, colaboram de vez para rebaixar ainda mais o conceito do Brasil perante o mundo. Aqui é a terra do “jeitinho”, a terra onde não acontece nada com os bandidos e criminosos. Paraíso retratado nas telas do cinema mostrando vergonhosamente esse país do samba, do futebol, do carnaval, como paraíso acolhedor de bandidos e facínoras de todo mundo, onde um governo imoral, sujo acolhe um terrorista assassino, o Battisti, elevando-o a categoria de herói desse famigerado PT. Mas a Indonésia não é a “terra brasilis”. Lá a lei pesa e pesa muito. Não adianta esta cínica presidente telefonar pedindo clemência, que não será ouvida. O fuzilamento desse traficante merece reflexão, merece os aplausos do povo sério, honesto e trabalhador que não agüenta mais a violência, os desmandos e a corrupção neste país onde criminosos mensaleiros, ladrões do povo, são elevados ao altar de gloriosos heróis!  

Um comentário:

  1. Muito bom. Já vai tarde. Menos um correndo o risco de voltar ao Brasil.

    ResponderExcluir